• +55 (41) 3030-6567
  • secretaria@assembleiadedeuscic.com

20/01/2019 – Lição 3 – A Natureza dos Demônios – Agentes da Maldade no Mundo Espiritual – 1º Trimestre

20/01/2019 – Lição 3 – A Natureza dos Demônios – Agentes da Maldade no Mundo Espiritual – 1º Trimestre

Lição 3 em Áudio – Por Geovani Jose de Anhaia
Lição Completa – Áudio

Slides – PDF | Power Point
Lição Completa – PDF

Texto Áureo

Apocalipse 12:9 “E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele”

VERDADE PRÁTICA
Os demônios são os anjos que se rebelaram contra Deus seguindo o seu maioral, Satanás.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — Mt 12.24: Belzebu, o próprio Satanás, é o príncipe dos demônios – Áudio
Terça — Mt 25.41: Satanás e seus anjos já têm um lugar preparado — o abismo – Áudio
Quarta — Lc 10.18,19: Satanás é um ser já derrotado – Áudio
Quinta — At 8.7: Os demônios são identificados como espíritos imundos – Áudio
Sexta — At 19.12: O Novo Testamento descreve os demônios como espíritos malignos – Áudio
Sábado — 1Tm 4.1: O apóstolo Paulo chama os demônios de espíritos enganadores – Áudio

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Apocalipse 12.7-10.
7 — E houve batalha no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão; e batalhavam o dragão e os seus anjos,
8 — mas não prevaleceram; nem mais o seu lugar se achou nos céus.
9 — E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o diabo e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.
10 — E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora chegada está a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derribado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite.

INTRODUÇÃO
A Demonologia é uma parte da Angelologia, a doutrina dos anjos, porque tanto demônios quanto anjos são criaturas espirituais e invisíveis. A presente lição pretende mostrar a origem, a natureza e os objetivos dos demônios e do seu maioral.

I. ORIGEM DOS DEMÔNIOS

  1. Os anjos caídos e os demônios.
    Eles são os restantes dos anjos que seguiram Satanás após a sua rebelião contra Deus (v.9). A tradição judaica antiga descreve essa queda de maneira mais ampla na literatura apocalíptica do período interbíblico como os Oráculos Sibilinos e os livros de Enoque.
  2. A expulsão do querubim ungido.
    A Bíblia diz que Satanás é o maioral dos demônios (Mt 12.24; 25.41). No princípio, Deus criou o querubim ungido, perfeito em sabedoria e formosura, o qual era o selo da simetria (Ez 28.12-15). Ele se rebelou contra Deus e foi expulso do céu (Is 14.12-15). Com sua queda, saíram com ele os anjos que aderiram à rebelião, e uma parte deles continua em prisão (2Pe 2.4; Jd 6). Apesar de a Bíblia não fornecer detalhes sobre os demônios, essas passagens bíblicas podem apontar a sua origem.
  3. Os demônios na cultura pagã.
    Os termos gregos traduzidos por “demônio” no Novo Testamento são daimonion, “demônio, um deus, uma divindade”, para designar os deuses pagãos (Dt 32.17); e daimon, “um espírito mal, demônio”. Os demônios foram posteriormente concebidos como seres espirituais intermediários bons ou maus, ou seja, os anjos e os espíritos malignos. A natureza inconsequente desses espíritos os associa com o mal, com toda a maldade do mundo.

II. A BATALHA NO CÉU

  1. O arcanjo Miguel e o dragão (v.7).
    Miguel é anjo, o príncipe dos filhos de Israel, na qualidade de arcanjo, e lidera uma guarnição angelical (Dn 10.13,21; 12.1; Jd 9). O dragão é identificado com o próprio Diabo e Satanás, a antiga serpente (v.9), em uma referência à serpente do Éden (Gn 3.1-4,13-15). Miguel é mais poderoso do que o dragão, pois peleja pelo poder de Deus e, juntamente com os seus liderados, expulsa Satanás e seus anjos do céu (Ap 12.8).
  2. A expulsão de Satanás (v.8).
    Essa passagem é muito disputada pelos expositores bíblicos e há diversas interpretações. Nessa guerra escatológica, há os que acreditam que se trata da queda original de Satanás, e outros afirmam que não há ligações com essa queda. Outra interpretação é que Satanás teria acesso ao céu antes da ascensão de Jesus. O argumento usado se baseia em algumas passagens do Antigo Testamento (1Rs 22.23; Jó 1.6-9; 2.1-6; Zc 3.1,2). De uma forma ou de outra, a derrota do Inimigo já está decretada, conforme revelou o próprio Senhor: “Eu via Satanás, como raio, cair do céu” (Lc 10.18). A expressão “eu via” diz respeito a uma ação contínua, e isso mostra que Jesus contemplava, em visão, a queda de Satanás, enquanto os setenta pregavam o evangelho.
  3. A vitória final sobre Satanás.
    A derrota final de Satanás, na verdade, teve início com a morte, ressurreição e ascensão de Jesus. A partir daí, as acusações do Diabo contra nós caíram por terra, porque quem nos justifica diante de Deus é o próprio Cristo (Rm 5.1; 8.33). No Apocalipse, vemos que Miguel e seus anjos vencem o dragão e seus demônios (Ap 12.7-9). O mérito da vitória, porém, não cabe ao arcanjo, pois este sempre atuou em nome do Senhor (Jd 9). Mais adiante, o Diabo é amarrado por mil anos, para, finalmente, ser lançado no lago de fogo (Ap 20.3,10). Diante das arremetidas do adversário, sejamos valentes e confiantes na pronta intervenção divina, pois temos, nesta luta, uma gloriosa promessa (Rm 16.20).

III. O MAIORAL DOS DEMÔNIOS

  1. A Serpente.
    O termo “dragão” é drakon em grego e é usado na Septuaginta para traduzir algumas palavras hebraicas, como tanim e leviatan, cujo sentido é diversificado como ‘monstros, animais do deserto, serpentes’. No Novo Testamento, só aparece em Apocalipse, e aqui é chamado de “o grande dragão, a antiga serpente, chamada o diabo e Satanás, que engana todo o mundo” (v.9). A serpente que enganou Eva é o próprio Satanás (Gn 3.1-4,14,15). Ele é perito em enganar como fez com Eva e ainda hoje esta é uma de suas especialidades (2Co 2.11; 11.3).
  2. Satanás.
    Não é possível descrever todos os nomes do inimigo de Deus e do seu povo. O nome mais conhecido vem do hebraico satan, “Satanás, adversário”. É no prólogo do livro de Jó que Satanás aparece pela primeira vez como ser espiritual que acusa os justos diante de Deus. As Escrituras o revelam primeiramente com nome pessoal quando induz o rei Davi a fazer o recenseamento: “Então, Satanás se levantou contra Israel e incitou Davi a numerar a Israel” (1Cr 21.1).
  3. O Diabo.
    O termo grego diábolos, “caluniador”, é usado com frequência na Septuaginta para traduzir a palavra hebraica satan, “adversário”. O termo vem do verbo diabállo, “acusar, difamar, enganar, provocar um desacordo”. A especialidade dele é enganar e acusar (v.10). Jesus disse que a essência da natureza dele é a mentira: “Vós tendes por pai ao diabo e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira” (Jo 8.44). Sua habitação ainda não é o inferno; ele ainda será lançado nesse lugar, “o fogo eterno preparado para o diabo e seus anjos” (Mt 25.41).

IV. O PODER DE JESUS SOBRE OS DEMÔNIOS

  1. O contexto bíblico.
    Há relativamente pouco registro sobre os demônios no Antigo Testamento. A Septuaginta traduz quatro termos hebraicos por daimonion, “demônio”, e um por daimon (Is 65.11). A tradição judaica considera os demônios como anjos caídos que se uniram a Satanás na sua rebelião contra Deus. Os demônios são identificados no Novo Testamento como os espíritos imundos (Lc 4.33; 8.29; Ap 18.2) e os espíritos malignos (Lc 8.2). Eles são malévolos, podem entrar nas pessoas (Lc 11.24-26) e causam todo o tipo de doença (Lc 9.39-42), embora nem todas enfermidades sejam de origem demoníaca (Lc 13.32).
  2. O triunfo de Cristo.
    A vitória preliminar de Jesus sobre Satanás começa na tentação do deserto (Mt 4.11). O Diabo já está derrotado preliminarmente (Jo 12.31). Jesus disse que o príncipe desde mundo já está julgado (Jo 16.11). Mesmo assim, ele continua se opondo à obra de Deus. Satanás causou diversos infortúnios ao apóstolo Paulo, com o espinho na carne (2Co 12.7) e o impedimento nas jornadas missionárias (1Ts 2.18). Nós não devemos ignorar as suas astúcias (2Co 2.11). Em breve, Deus “esmagará Satanás debaixo de nossos pés” (Rm 16.20).

CONCLUSÃO
Os demônios são reais, são espíritos maus e imundos, o oposto dos anjos. Jesus é a única garantia de que eles nada podem contra nós; antes, Jesus disse: “Eis que vos dou poder para pisar serpentes, e escorpiões, e toda a força do Inimigo, e nada vos fará dano algum” (Lc 10.19).

PARA REFLETIR
A respeito de “A natureza dos demônios”, responda:
Quais os significados dos termos gregos daimonion e daimon?
Quando teve início a derrota final de Satanás?
Quais os significados nos nomes “Satanás e Diabo”?
Qual a essência da natureza do Diabo?
Onde começou a derrota de Satanás com a vinda de Jesus?

Fonte: https://escoladominical.assembleia.org.br/licao-3-a-natureza-dos-demonios-agentes-da-maldade-no-mundo-espiritual/

ieadcic

2 comments so far

Samuel FelicioPosted on1:23 am - Jan 20, 2019

Muito bom.
gostei, assim podemos, copiar, e fazer nossas anotações com facilidade.

Deus Continue abençoando.

Leave a Reply